Colhendo Frutos…

O início da semeadura foi em meados da década de 90. Vivíamos na nossa cidade uma gestão de esquerda na prefeitura e propusemos à secretaria da educação um lindo projeto cultural “Alevanta Boi Brincá”. E foi aí que iniciei meu aprendizado sobre o nosso Boi de Mamão e as danças populares da Ilha e do Brasil, com esse meu camarada, Mestre da Cultura do Popular, um ser brincante, o iluminado Nado!

Quase três décadas depois, Nado me convidou para participar de outro projeto de lindezas: Entra na Roda! Partilhas de Danças e Cantares do Litoral Catarinense, realizado pelo Grupo Arréda Boi da Barra da Lagoa. Um reencontro com esse querido que amo e admiro muito, com sua família e amig@s!

Foram momentos de grandes emoções! Um sonho realizado…

Ver que ainda há pessoas que respeitam os mais velhos, valorizando os saberes e viveres. Como aprendi com a Dona Ivone e Seo Bebê!!!

Dançar e aprender mais sobre a nossa cultura popular, conviver com um grupo tão maravilhoso de talentos sem fim, brincar feito criança, celebrar a vida depois de viver tempos difíceis com a pandemia… Foi demais!

Muito agradecida… Já estou com saudades! Valeu Camaradas!

Força na Luta!

Fotos: Joaquim Corrêa

Trinta e Três, no Toque de Iúna…

Hoje celebro 33 anos de Capoeira. Mas não tenho vontade de comemorar!

Resistir na Capoeira nestes tempos difíceis de pandemia e de isolamento social está sendo uma tarefa difícil!

A saudade imensa de estar na rua, nas rodas, d@s camaradas. A pandemia nos aproximou de quem estamos longe e nos distanciou de quem estamos perto.

Viver com a dor de mais de trezentos mil brasileir@s e milhões de vidas perdidas no mundo. Presenciar governos genocidas e com gente que não está nem aí para as recomendações de profissionais da saúde, estes já no esgotamento de suas forças para o combate do vírus letal.

Grandes desafios a serem superados, não somente os financeiros, mas para manter a saúde corporal, mental e espiritual.

Capoeira é Luta, é Resistência, é Persistência!

Tenho esperança que vamos superar e tudo isso vai passar!

Hoje meu berimbau vai tocar Iúna…

Desejo muita saúde e Axé à tod@s Camaradas!

Vacina já para tod@s!

Força na Luta! Força no Luto!

Mulheres pela Educação

Não há palavras para descrever o nosso Movimento Mulheres pela Educação!

Foi uma lindeza!

Lutamos por uma Cidade Educadora dos Direitos e nossa candidatura foi também educadora!

Foram muitos encontros, apesar de virtuais, de grandes aprendizados e emoções!

Gratidão pelos 1913 votos, apoios recebidos e pela confiança neste lindo projeto.

Valeu Camaradas!

Seguimos na Luta!

Aposentadoria na Pandemia

Foi na tarde ensolarada de oito de julho, Ilha de Santa Catarina.

No oitavo andar da prefeitura.

Recebi os papéis e assinei. E foi assim…

Confesso que saí de lá com lágrimas nos olhos…

Sem despedida, sem abraços, sem ao menos um muito obrigado!

Trinta anos dedicados ao magistério. Vinte e nove como professora da educação pública!

Passei por várias unidades educativas. Grandes companheiros de trabalho. Inúmeros educandos. Tantas Lutas!

Mesmo assim, não posso me queixar!

Eu tive meu direito à aposentadoria!

E daqui pra frente?

Com a retirada dos direitos dos trabalhadores, com um desgoverno voltado para a elite e não para o povo, necrófilo, de homens brancos e cruéis. “E agora José”?

Da vida de servidora pública ao povo de Desterro, o sentimento é de profunda GRATIDÃO!

Gratidão aos companheiros de trabalho das Unidades Educativas e Projetos da Prefeitura Municipal de Florianópolis por onde passei: Escola Básica Municipal Almirante Carvalhal – Coqueiros (1991); Programa de Atendimento e Integração de Crianças e Adolescentes de Rua da Secretaria Municipal da Saúde e Desenvolvimento Social (1992); Programas da Secretaria Municipal da Saúde e Desenvolvimento Social: Casarão, Casa da Liberdade, CEC´s Itacorubi e Parque da Figueira (1993); Projeto Ginga Desterro pela Fundação Municipal de Esportes (1993 à 1996); Escola Básica Municipal Mâncio Costa – Ratones (1994 à 1999); Projeto “Alevanta Boi Brincá” – Ratones, Barra da Lagoa e Costa da Lagoa; (1995 e 1996); Escola Básica Municipal Acácio Garibaldi – Barra da Lagoa (1999); Escola Básica Municipal Donícia Maria da Costa – Saco Grande (2000 e 2001); Creche Ana Spyros de Matos e NEI Tapera (2002); NEI Campeche (2003 e 2004); Creche Almirante Lucas e NEI Coqueiros (2005); Creche Dona Cota (2006 e 2010); NEI Coqueiros (2005 à 2010); Creche Júlia Maria Rodrigues (2011); NEI Coqueiros (2012 à 2014); Creche Júlia Maria Rodrigues (2015); NEI Coqueiros (2016 e 2018); Núcleo de Formação, Pesquisa e Assessoramento da Educação Infantil – NUFPAEI (2018); NEIM Coqueiros (2019); NEIM Coqueiros e NEIM Júlia Maria Rodrigues (2020); Projeto Capoeira na Rede (Escola Básica Municipal Almirante Carvalhal (2006 à 2020).

Aos educandos e suas famílias, pelas relações pedagógicas e de afetos, gratidão pelo aprendizado constante!

À minha família que me acompanhou e me apoiou no meu trabalho como professora!

Agora dedicação exclusiva ao trabalho com a CAPOEIRA!

Vamos seguindo na Luta… Sempre em Frente!

Jô Capoeira

Julho de 2020

Alguns momentos…

Trinta e Dois

Foto: Arthur Gonçalves. Ano: 1988.

Dia 20 de novembro de 1988. Lembro-me até hoje. Ainda sinto a energia deste grande momento: meu batismo.
Hoje estou de aniversário de Capoeira. Iniciei no dia 05 de abril de 1988 com o Contramestre Alemão.
Não foi fácil a caminhada até aqui, principalmente por ser mulher, mãe, professora, dona de casa, cuiqueira e ainda ter a pretensão de ser uma Capoeira.
Mas a vida da capoeiragem, apesar de tantas rasteiras que levamos, nos traz muita felicidade, pois traz para a nossa vida muitos camaradas.
Não tenho como citar aqui os camaradas que são importantes na minha vida. São muitos! E sou feliz por isso!
O apoio de minha família também foi e é fundamental para a minha caminhada.
São 32 anos de vivência nesta arte, mas sinto-me ainda uma iniciante, pois tenho muito ainda para aprender.
A capoeira pra mim é mais do que uma arte, jogo e manifestação cultural afro-brasileira. É uma luta política para a construção de uma sociedade mais justa. Uma luta contra a opressão que vivemos neste mundo que dá mais valor ao dinheiro do que às pessoas.
Essa luta não se faz sozinho. Na roda somos muitos e eu sou só mais uma, como diz a cantiga.
O sentimento é de gratidão!
Valeu Camaradas!
Força na Luta!
Sempre em Frente!