Tocando em Frente…

Tocando em Frente

Composição: Almir Sater e Renato Teixeira

Ando devagar
Porque já tive pressa
E levo esse sorriso
Porque já chorei demais

Hoje me sinto mais forte,
Mais feliz, quem sabe,
Eu só levo a certeza
De que muito pouco sei,
Ou nada sei

Conhecer as manhas
E as manhãs
O sabor das massas
E das maçãs

É preciso amor
Pra poder pulsar
É preciso paz pra poder seguir
É preciso chuva para florir

Sinto que seguir a vida
Seja simplesmente
Conhecer a marcha
E ir tocando em frente

Como um velho boiadeiro
Levando a boiada
Eu vou tocando os dias
Pela longa estrada, eu vou
Estrada eu sou

Cada um de nós compõe
A sua própria história
E cada ser em si
Carrega o dom de ser capaz
De ser feliz

Todo mundo ama um dia,
Todo mundo chora
Um dia a gente chega
E no outro vai embora

Anúncios

Encontro de Quilombolas

Sábado de sol bonito. Roda da Figueira. Rever camaradas que não via a um tempo foi bom demais! Roda de Axé! Presença de grandes mestres. Jogos bonitos…  Batismo de crianças: Areias, Pedregal.  Pai de Santo dando lição de organização solidária, mostrando que é possível a realização de grandes feitos, desde que se envolva a comunidade, com a união e garra de um grupo! A semente plantada por Pinóquio agora gerando grandes frutos… Como ele sempre nos diz: A Capoeira mora na Periferia! Senti a energia da Capoeira no jogo das crianças… O choro da menina que recebeu sua graduação… Malícia, malandragem, ludicidade no jogo dos mestres…

 Parabéns ao Grupo Capoeira Angola Quilombola! Agradeço por ter proporcionado mais um grande momento para a nossa capoeiragem!

Epitáfio

Titãs

Composição: Sérgio Britto

Devia ter amado mais
Ter chorado mais
Ter visto o sol nascer
Devia ter arriscado mais
E até errado mais
Ter feito o que eu queria fazer…

Queria ter aceitado
As pessoas como elas são
Cada um sabe alegria
E a dor que traz no coração…

O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar…

Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr
Devia ter me importado menos
Com problemas pequenos
Ter morrido de amor…

Queria ter aceitado
A vida como ela é
A cada um cabe alegrias
E a tristeza que vier…

O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar distraído
O acaso vai me proteger
Enquanto eu andar…

Devia ter complicado menos
Trabalhado menos
Ter visto o sol se pôr…

Um poeta da Capoeira chamado Macaô…

Tenho em meus pertences capoeirísticos cartas de Macaô, escritas na década de noventa.  Eu tinha o hábito de escrever cartas para os meus camaradas. Infelizmente devido a internet perdi esse costume. Socializo aqui pensamentos deste poeta da Capoeira.

“O Capoeirista é alguém de uma raça estranha e bela, que acredita em coisas estranhas e belas… Para ele, quando o berimbau toca, Deus fala”.

Nagir Macaô