Trinta e Dois

Foto: Arthur Gonçalves. Ano: 1988.

Dia 20 de novembro de 1988. Lembro-me até hoje. Ainda sinto a energia deste grande momento: meu batismo.
Hoje estou de aniversário de Capoeira. Iniciei no dia 05 de abril de 1988 com o Contramestre Alemão.
Não foi fácil a caminhada até aqui, principalmente por ser mulher, mãe, professora, dona de casa, cuiqueira e ainda ter a pretensão de ser uma Capoeira.
Mas a vida da capoeiragem, apesar de tantas rasteiras que levamos, nos traz muita felicidade, pois traz para a nossa vida muitos camaradas.
Não tenho como citar aqui os camaradas que são importantes na minha vida. São muitos! E sou feliz por isso!
O apoio de minha família também foi e é fundamental para a minha caminhada.
São 32 anos de vivência nesta arte, mas sinto-me ainda uma iniciante, pois tenho muito ainda para aprender.
A capoeira pra mim é mais do que uma arte, jogo e manifestação cultural afro-brasileira. É uma luta política para a construção de uma sociedade mais justa. Uma luta contra a opressão que vivemos neste mundo que dá mais valor ao dinheiro do que às pessoas.
Essa luta não se faz sozinho. Na roda somos muitos e eu sou só mais uma, como diz a cantiga.
O sentimento é de gratidão!
Valeu Camaradas!
Força na Luta!
Sempre em Frente!

Exposição Memórias Periféricas da Capoeira Angola de Salvador: o acervo pessoal de Mestre Nô

A Exposição Memórias Periféricas da Capoeira Angola de Salvador: o acervo pessoal de Mestre Nô, possibilita conhecer a história da capoeira da periferia de Salvador a partir da década de 60. Uma parte deixada de lado e ainda por contar, inserida na necessidade de preservar, difundir e salvaguardar uma das suas memórias. O acervo contém um pouco dos registros que o Mestre fez durante sua vida dedicada à Capoeira Angola, dos aspectos filosóficos, aos fundamentos do jogo e da ética, aos toques de berimbau. Os registros mostram modos de ensino e a compreensão da capoeira como possibilidade de formação cultural para além dos limites da roda, uma formação para a vida. São relíquias de uma história. Com apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda, Centro de Culturas Populares e Identitárias e Secretaria de Cultura da Bahia.

Exposição em Florianópolis:

De 25 à 30 de setembro no Casarão da Alfândega – Centro.

Visitação de terça à sábado das 9:00 às 12:00 e das 14:00 às 17:00.

Abertura: Dia 25 de Setembro às 18:00 no Casarão da Alfândega – Centro.

Mostra do Documentário: Memórias Periféricas da Capoeira Angola de Salvador: o acervo pessoal de Mestre Nô.

Palestra: O Acervo e a Capoeira Angola da Periferia de Salvador com Mestre Nô e Professor Desenho.

 

Mais Informações: memoriasperifericasfloripa@gmail.com

APOIO: IPHAN SANTA CATARINA

cartaz floripa