Documentário Cisne Negro: Uma homenagem ao poeta Cruz e Sousa

Um ano depois da inauguração do mural Cisne Negro, obra de grandes dimensões no Centro de Florianópolis em homenagem a Cruz Sousa (1861 – 1898), o Street Art Tour lança documentário homônimo que mostra detalhes e bastidores da pintura, assinada pelo artista Rodrigo Rizo. Além de registros do trabalho do artista, o doc também traz depoimentos de historiadores e pesquisadores sobre a vida e obra do autor: da resistência e combate ao racismo à genialidade como poeta e expoente do simbolismo no Brasil.

O doc é uma obra complementar e com o propósito de contextualizar o público sobre a homenagem: quem foi o poeta, sua relevância literária e social na Desterro do século passado e cujos versos ainda ecoam.

Assista o documentário em nossas redes sociais e também no nosso Canal no Youtube.

Fonte: @streetarttourfloripa

 

Aposentadoria na Pandemia

Foi na tarde ensolarada de oito de julho, Ilha de Santa Catarina.

No oitavo andar da prefeitura.

Recebi os papéis e assinei. E foi assim…

Confesso que saí de lá com lágrimas nos olhos…

Sem despedida, sem abraços, sem ao menos um muito obrigado!

Trinta anos dedicados ao magistério. Vinte e nove como professora da educação pública!

Passei por várias unidades educativas. Grandes companheiros de trabalho. Inúmeros educandos. Tantas Lutas!

Mesmo assim, não posso me queixar!

Eu tive meu direito à aposentadoria!

E daqui pra frente?

Com a retirada dos direitos dos trabalhadores, com um desgoverno voltado para a elite e não para o povo, necrófilo, de homens brancos e cruéis. “E agora José”?

Da vida de servidora pública ao povo de Desterro, o sentimento é de profunda GRATIDÃO!

Gratidão aos companheiros de trabalho das Unidades Educativas e Projetos da Prefeitura Municipal de Florianópolis por onde passei: Escola Básica Municipal Almirante Carvalhal – Coqueiros (1991); Programa de Atendimento e Integração de Crianças e Adolescentes de Rua da Secretaria Municipal da Saúde e Desenvolvimento Social (1992); Programas da Secretaria Municipal da Saúde e Desenvolvimento Social: Casarão, Casa da Liberdade, CEC´s Itacorubi e Parque da Figueira (1993); Projeto Ginga Desterro pela Fundação Municipal de Esportes (1993 à 1996); Escola Básica Municipal Mâncio Costa – Ratones (1994 à 1999); Projeto “Alevanta Boi Brincá” – Ratones, Barra da Lagoa e Costa da Lagoa; (1995 e 1996); Escola Básica Municipal Acácio Garibaldi – Barra da Lagoa (1999); Escola Básica Municipal Donícia Maria da Costa – Saco Grande (2000 e 2001); Creche Ana Spyros de Matos e NEI Tapera (2002); NEI Campeche (2003 e 2004); Creche Almirante Lucas e NEI Coqueiros (2005); Creche Dona Cota (2006 e 2010); NEI Coqueiros (2005 à 2010); Creche Júlia Maria Rodrigues (2011); NEI Coqueiros (2012 à 2014); Creche Júlia Maria Rodrigues (2015); NEI Coqueiros (2016 e 2018); Núcleo de Formação, Pesquisa e Assessoramento da Educação Infantil – NUFPAEI (2018); NEIM Coqueiros (2019); NEIM Coqueiros e NEIM Júlia Maria Rodrigues (2020); Projeto Capoeira na Rede (Escola Básica Municipal Almirante Carvalhal (2006 à 2020).

Aos educandos e suas famílias, pelas relações pedagógicas e de afetos, gratidão pelo aprendizado constante!

À minha família que me acompanhou e me apoiou no meu trabalho como professora!

Agora dedicação exclusiva ao trabalho com a CAPOEIRA!

Vamos seguindo na Luta… Sempre em Frente!

Jô Capoeira

Julho de 2020

Alguns momentos…

Dona Zélia do Prato

ENCONTRO COM DONA ZÉLIA DO PRATO (Pela Internet)

Noite chuvosa (aqui no Sul do Brasil) de 05 de junho de 2020.

Encontro regado de muita emoção e sentimentos. Conduzido lindamente por Anderson e Val. Presença de Dona Zélia. Tocadora de Prato, sambadeira arretada de São Braz de Santo Amaro – Bahia.

Dona Zélia: Antigamente tinha só o pandeiro. A gente chamava de Roda de Samba o Samba de Chula é mais recente. No Samba chula entra cada uma por vez. Tem que esperar a sua vez, cumprimentar os tocadores, fazer o sapeteado e depois a umbigada na próxima. Cada uma na sua vez! Sapateado, rodada e umbigada!

Que risada boa!!!

Dona Zélia: O samba é que me faz feliz! Me dá alegria. O samba é tudo pra mim. É muito forte dentro de mim. No CD do João do Boi de Braz, eu fiz a segunda voz. Eu tenho setenta e três anos. O samba é tudo na vida, é minha saúde! O prato que eu toco foi de minha mãe e agora começou a viajar… “Sereia, sereia, nunca vi tanta areia no mar…” “Me dá seu salão pra vadear, eu vim aqui foi pra vadear…”

A voz de D. Zélia toca na alma! Olhos marejados…

Dona Zélia: A casa de todo mundo antigamente era de taipa coberta de sapé. Para fazer uma casa juntava muita gente para amassar o barro: o sapateado. Fui marisqueira, trabalhei no cacau, a vida não foi fácil, mas Deus dá o frio conforme o cobertor. Mas hoje sou muito feliz com meu samba, curei até a depressão.

Lindo e emocionante encontro com Dona Zélia do Prato! Gratidão!