Não ao Conformismo!

Alguns amigos acham que ando um pouco revoltada! Mas não posso ficar indiferente a realidade de nossa sociedade!

O tempo vai passando, vamos ficando mais velhos, deveríamos ficar mais sábios, mais sensíveis à vida!

Levamos a vida numa velocidade desenfreada,  que está nos deixando indiferentes. A gentileza nas pessoas é algo raro…

Deixamos de  cultivar nossas amizades, como quem cuida de rosas de um jardim…

Estava cansada com vontade de desistir… Não querendo mais acreditar na humanidade!

Mas não vou me conformar, vou continuar na luta, por um mundo melhor, mais justo e solidário!

Enterrar minhas decepções e mágoas com o ano que está findando…

Deixar que a esperança renasça no meu coração…

Abraço caloroso à todos meus camaradas!

Rosas do meu jardim...

Anúncios

Batismo…

“Ô moça que vende aí, ô moça que vende aí

É arroz do Maranhão

Sô discípulo que aprendo

Sô Mestre que dou lição

Em roda de Capoeira

Dai-me um aperto de mão”…

Foi assim, agachados para a saída do jogo que Mestre João Pequeno começou o meu Batismo…

Ainda hoje sinto a energia daquele momento mágico, de forte emoção.

O dia também era especial: 20 de novembro de 1988, dia da Consciência Negra, de Zumbi e aniversário do Grupo Capoeira Angola Palmares.

Mestre Nô no comando da roda!

Presença de outros grandes Ferrerinha, Bobó, Curió, Boa Gente, Braulino…

Acaba o jogo, ganho um carinhoso abraço do Mestre João Pequeno e uma flor de meu padrinho Bolita!

O dia do Batismo é especial para os capoeiristas.

O meu foi demais!

Agradeço ao Alemão por este presente!